Roteiro Turístico

LOCAIS A VISITAR
 
ABRUNHEIRA
 
• Igreja Matriz de Abrunheira / Igreja de Nossa Senhora da Graça 
Situa-se junto da estrada na saída da Abrunheira para o vizinho lugar de Souselas.
Templo de arquitectura moderna, inspirada no da igreja de São José em Coimbra. A fachada principal está virada para o poente e para o Oceano Atlântico, donde se pode desfrutar da magnífica panorâmica em seu redor.
No interior, destaque para as esculturas seiscentistas de Na. Senhora da Graça e de São João Baptista, provenientes da capela de São João da Abrunheira, demolida no início do século XX.
A imagem de Na. Senhora da Graça, benzida a 20 de Junho de 1887 pelo padre António Augusto Fernandes, e depois de reconstruída (escultor José Ferreira Thedim), encontra-se no altar-mor.
 
• Igreja Matriz de Reveles / Igreja de Nossa Senhora do Ó
Avista-se dos campos do Mondego e do alto mar.
É costume antigo os marinheiros de Buarcos aquando da actividade piscatória no mar alto orientarem-se pela brancura e altivez da igreja de Reveles e daí as promessas e pagamento após o regresso a terra.
A paróquia foi uma vigararia do Bispado, termo de Montemor e pertence à diocese de Coimbra no arcebispo de Alfarelos - Soure.
É obra antiquíssima, reedificada em 1638, incendiada em 1865 e restaurada em 1871 num momento em que foi pedido ao Seminário de Coimbra um altar livre.
 
• Capela de Santo António
Situa-se na Rua de S. António em Abrunheira.
 
• Capela particular do Solar de Ornelas e Vasconcelos. 
No interior, o retábulo é de estilo barroco de talha dourada. Em conjunto com o solar, encontra-se em vias de classificação.
 
• Capela de São João
Situa-se na localidade de Abrunheira, na actualidade encontra-se destruída.
Em 20 de Maio de 1887, depois de obras de reedificação, foi requerido auto de licença para "benzer" e festejar o Santo Padroeiro, a licença foi concedida ao vigário de Reveles, António Augusto Fernandes, em 27 de maio de 1887.
Com a ampliação da Praça esta capela foi demolida e nela foram enterradas "gente" de Abrunheira.
 
• Capela de Nossa Senhora da Saúde
Situa-se na localidade de Reveles
Templo muito antigo, consta que foi a primitiva matriz da antiga freguesia de Reveles. Capela de romaria, composta por: corpo, capela-mor, alpendre frontal e lateral apoiado em colunas dóricas. Depois do século XVIII era local de enterramentos, o primeiro registo foi em 18 de Novembro de 1780 em nome de Catarina Marques, viúva de José Pedrosa de Reveles.
A imagem é esculturada em pedra e não posterior ao século XVI. Em séculos idos, uma mercê régia concedeu-lhe por cinco anos, uma feira franca de três dias, que principiava a 26 de Julho e se realizava por ocasião da Festa, feira que, por nova concessão se tornou perpéptua. Chegou a ser, uma das mais importantes da grande área da alfândega da Figueira da Foz, onde havia no século XVIII quatro feiras somente.
 
• Capela de Nossa Senhora do Rosário
Localiza-se na povoação de Presalves.
No ano de 1721 integrou na paróquia de Verride. Em 6 de Setembro de 1672 começou um ciclo de enterramentos com o de João Lopes de Presalves. Na actualidade está destruída.
 
• Capela de São José e Santa Joana
Encontra-se localizada, na aldeia de Presalves.
Esta capela remonta ao século XIII, no interior exibe altar em talha dourada. Fazia parte integrante de um convento, hoje é património da Quinta do Outeiro. Ainda continuam a realizar-se cerimónias religiosas.
 
• Capela das "Alminhas", dedicada a Na. Senhora de Fátima.
Situa-se no lugar de Vale Grande.
 
• Cruzeiro de Abrunheira.
 
• Cruzeiro de Reveles.
 
• Fonte Daqui;
 
• Fonte do Vale;
 
• Fonte de Presalves.
 
• Solar de Ornelas / Nápoles
Solar de arquitectura residencial barroca edificado no século XVII, com planta rectangular de dois andares, com capela particular dedicada a Santo António, anexada. O brasão de armas situa-se na fachada principal encimando o portal. Situa-se na Rua de Santo António.
Considerado pelo IPPAR como Imóvel de Interesse Municipal, a sua classificação encontra-se em fase processual em sede municipal na Câmara Municipal de Montemor-o-Velho.
 
• Solar dos Viscondes da Ponte da Barca
  
VERRIDE
  
• Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição
Templo edificado no século XVI/XVII, de arquitectura religiosa, maneirista, barroca. O interior é composto por nave, capela-mor com altar em talha dourada, três capelas laterais, uma de Nossa Senhora dos Remédios, outra das Almas e a capela do Santíssimo, destaque para a parte central do retábulo desta capela, cuja obra é da célebre Escola de João de Ruão (do ano 1543).
 Em 1611 foi reformada a mando dos cónegos regrantes de Santa Cruz. Foi sofrendo ao longo dos séculos várias reformas.
 
• Capela de São Sebastião
 
• Capela de Santo António do Cardal
 
• Convento de Almiara / Mosteiro de Verride
Edificado na segunda metade do século XVI, de arquitectura religiosa, renascentista, neoclássica. A quinta pertenceu à prioresa do mosteiro de Santana até 1285, sendo vendida ao prior-mor de Santa Cruz, ao qual pertenceu até 1572, para veraneio dos frades Crúzios. A estes frades é atribuída a introdução na região de Montemor-o-Velho, da tradição do cultivo do arroz. O convento sofreu profundas reformas na época pombalina. Localiza-se junto à linha de caminho de ferro Coimbra - Figueira da Foz, em Verride. Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público por Despacho de 23 de Março de 2000, incluindo ZEP.
 
• Casa Grande - De arquitectura residencial, novecentista. Este solar é um edifício de 3 andares. No distrito, é o único palacete habitável. Localiza-se na Rua da Igreja, em Verride.
 
• Casas Altas - Construção do século XVI, de arquitectura renascentista. No século XX, teve diversas remodelações. Situa-se no Lugar de Ereira, Verride. Encontra-se em vias de classificação.
 
• Quinta do Cardal
 
• Quinta da Cruz
 
• Quinta das Pretas
 
• Quinta de Almiara
 
• Termas do Bulho / Termas do Brulho / Termas do Brolho / Termas do Barulho
As suas águas minero - medicinais, eram excelentes para tratamento dos rins, estômago, reumatismo e doenças de pele. Foram reconstruídas em 1865.
Na actualidade encontram-se abandonadas, por a população preferir a praia e também por falta de equipamento e conforto.
 
VILA NOVA DA BARCA
 
• Igreja Matriz
 
• Capela de Santa Ana, na Caixeira
Conserva um escudo com as armas dos Duques de Aveiro)
 
• Cruzeiro quinhentista, também na Caixeira. No Marujal,
 
• Capela de Nossa Senhora da Graça
Conserva na coluna do arco cruzeiro a data de 1540.